SITE DO BLOG SOBRIEDADE

AOS 30 ANOS !

AOS 30 ANOS !

 BOA NOITE GALERINHA DO BEM! 23 DE MARÇO DE 2.017!

DIA MUNDIAL DO METEOROLOGISTA!

Resultado de imagem para dia mundial da meteorologia

 olá! tudo bem por aí?

 

OLHA AÍ GALERINHA DO BEM! os diversos tipos de diabetes!

Assim como a doença da adicção, o diabetes exige controle diário! o adicto não pode fazer uso da primeira substância e, o/a diabético tem que tomar regularmente a medicação, praticar exercícios e alimentação regrada e balanceada. Faça seus exames......... detecte! É sómente um furinho no dedo. Vai lá.

A organização Médicos Sem Fronteiras, está se recusando a receber contribuições da União Européia, em função da adoção de medidas por parte de diversos países da União, proibindo e dificultando a entrada de refugiados de todos os continentes na Europa.

Que Deus possa ter misericórdia de nós, pobres seres humanos.

É a intolerância mascarada, disfarçada..... sabemos (sei) que não deve ser fácil o acolhimento de refugiados num número, num volume gigantesco óbviamente, mas há que se encontrar soluções.

Aliás, tenho me questionado muito últimamente sobre os acontecimentos na Síria, com aquele povo todo fugindo...... crianças morrendo, barcos afundando, praias coalhadas de corpos................ o que será isso? 

A coisa toda está mal parada no mundo inteiro já repararam?

Vou me ater ao objetivo do site, que é a dependência química! então vai lá: traficantes no Rio de Janeiro, estão adicionando "adrenalina" à cocaína, para potencializar o efeito da mesma.

Até aí, quando ouvi a notícia inicialmente, imaginei que a cocaína misturada, ficaria mais forte e, os mesmos cobrariam a droga muito mais caro.

Não, não é isso: segundo assisti no Jornal da Globo há alguns dias atrás pela manhã, de 1 kg de coca, aliada às misturebas, consegue-se fazer 7, 8 kgs da droga.

A adrenalina é um hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais. Ela aumenta os batimentos cardíacos, a frequência respiratória e coloca o corpo em sinal de alerta.

Normalmente, é liberada em situações de risco, em atividades esportivas ou sob forte estresse. Sem ela, a cocaína inalada ou injetada já desperta euforia, desinibição, perda de apetite e insônia, mas pode também provocar arritmia, infarto e derrame.

A mistura de adrenalina na cocaína potencializa esses efeitos e torna a droga  mais perigosa e mortal. Mais até do que a cocaína com alto teor de pureza.

Risco de morte - O uso externo da adrenalina em altas doses pode provocar taquicardia, aumento da pressão arterial, arritmias, vasoconstrição, tremores e sudoreses.

Já a cocaína atua nas sinapses nervosas, aumentando a concentração de adrenalina (epinefrina) no organismo. “O acréscimo de adrenalina na cocaína ingerida potencializa seus efeitos estimulantes no sistema cardiovascular e, dependendo da dose, pode gerar colapso do músculo cardíaco por excesso de esforço, gerando parada cardíaca. 

A mistura pode ser extremamente prejudicial à saúde (mais do que as drogas normalmente o são) e, fatal.

 se não for, é o começo do fim, ahhh com certeza é.

"Quem dentre vós não tiver pecado, que atire a primeira pedra"

Vivo bradando aqui no Site, que auto-medicação não tá com nada e, continuo acreditando piamente nesse meu modo de pensar, mas recebi por intermédio de um amigo, esse texto que abaixo transcrevo, escrito pelo Doutor Carlos Bayma, que só pode ser médico, mas não sei aonde, nem onde ele escreveu tudo isto, só que me identifiquei muito com o texto e, se souberem para qual site, revista, jornal, enfim............ para qual finalidade foi escrito, por favor me avisem para que eu possa creditar devidamente ao mesmo ou aos mesmos.

Me identifiquei muito, ao recordar que há pouco tempo atrás, estava meio "down" e fui convencido pela assistente social na comunidade que eu prestava serviços, a procurar um Médico-Psiquiatra. Lá chegando (o mesmo sabia que sou adicto, sabia dos problemas que enfrentei em minha adicção ativa.....................) fui examinado e veio o veredicto: você está meio depressivo, vou receitar um ansiolítico prá você e logo ficará bem.

Ao que retruquei: Doutor! eu sou adicto, tomava baldes de ansiolíticos, anfetaminas e cruzava com álcool, portanto não posso tomar esse medicamento, no que ele retrucou de igual maneira: ahh Benatti! esse "remédinho" não causa dependência não. POW POW POW POW POW!

Não quis replicar com o mesmo, mas por dentro impliquei fortemente com o cidadão-doutor! meu! como é que não causa dependência, se era uma das minhas "drogas" favoritas e, eu pirava o cabeção com caixas daquele medicamento aliadas ao álcool?

Peguei a receita, e ao sair da sala do referido médico, joguei-a no cesto de lixo na ante-sala do consultório.

Continuo firme na idéia de que auto-medicação não tá com nada, mas diante do artigo do Doutor Carlos, me vêm à mente que: devemos ser seletivos também na escolha dos profissionais que nos atenderão, pois corremos o sério risco de nos tornarmos fármaco-dependentes, ou quiçá hipocondríacos, apesar de que a hipocondria não estar relacionada diretamente ao uso abusivo de medicamentos.

Aos 30 anos, você tem uma depressãozinha, uma tristeza meio persistente: prescreve-se FLUOXETINA.

A Fluoxetina dificulta seu sono. Então, prescreve-se CLONAZEPAM, o Rivotril da vida. O Clonazepam o deixa meio bobo ao acordar e reduz sua memória. Volta ao doutor.

Ele nota que você aumentou de peso. Aí, prescreve SIBUTRAMINA.

A Sibutramina o faz perder uns quilinhos, mas lhe dá uma taquicardia incômoda. Novo retorno ao doutor. Além da taquicardia, ele nota que você, além da “batedeira” no coração, também está com a pressão alta. Então, prescreve-lhe LOSARTANA e ATENOLOL, este último para reduzir sua taquicardia.

Você já está com 35 anos e toma: Fluoxetina, Clonazepam, Sibutramina, Losartana e Atenolol. E, aparentemente adequado, um “polivitamínicos” é prescrito. Como o doutor não entende nada de vitaminas e minerais, manda que você compre um “Polivitamínico de A a Z” da vida, que pra muito pouca coisa serve. Mas, na mídia, Luciano Huck disse que esse é ótimo. Você acreditou, e comprou. Lamento!

Já se vão R$ 350,00 por mês. Pode pesar no orçamento. O dinheiro a ser gasto em investimentos e lazer, escorre para o ralo da indústria farmacêutica. Você começa a ficar nervoso, preocupado e ansioso (apesar da Fluoxetina e do Clonazepam), pois as contas não batem no fim do mês. Começa a sentir dor de estômago e azia. Seu intestino fica “preso”. Vai a outro doutor. Prescrição: OMEPRAZOL + DOMPERIDONA + LAXANTE “NATURAL”.

Os sintomas somem, mas só os sintomas, apesar da “escangalhação” que virou sua flora intestinal. Outras queixas aparecem. Dentre elas, uma é particularmente perturbadora: aos 37 anos, apenas, você não tem mais potência sexual. Além de estar “brochando” com frequência, tem pouquíssimo esperma e a libido está embaixo dos pés.

Para o doutor da medicina da doença, isso não é problema. Até manda você escolher o remédio: SILDANAFIL, TADALAFIL, LODENAFIL ou VARDENAFIL, escolha por pim-pam-pum. Sua potência melhora, mas, como consequência, esses remédios dão uma tremenda dor de cabeça, palpitação, vermelhidão e coriza. Não há problema, o doutor aumenta a dose do ATENOLOL e passa uma NEOSALDINA para você tomar antes do sexo. Se precisar, instila um “remedinho” para seu corrimento nasal, que sobrecarrega seu coração.

Quando tudo parecia solucionado, aos 40 anos, você percebe que seus dentes estão apodrecendo e caindo. (entre nós, é o antidepressivo). Tome grana pra gastar com o dentista. Nessa mesma época, outra constatação: sua memória está falhando bem mais que o habitual. Mais uma vez, para seu doutor, isso não é problema: GINKGO BILOBA é prescrito.

Nos exames de rotina, sua glicose está em 110 e seu colesterol em 220. Nas costas da folha de receituário, o doutor prescreve METFORMINA + SINVASTATINA. “É para evitar Diabetes e Infarto”, diz o cuidador de sua saúde(?!).

Aos 40 e poucos anos, você já toma: FLUOXETINA, CLONAZEPAM, LOSARTANA, ATENOLOL, POLIVITAMÍNICO de A a Z, OMEPRAZOL, DOMPERIDONA, LAXANTE “NATURAL”, SILDENAFIL, VARDENAFIL, LODENAFIL ou TADALAFIL, NEOSALDINA (ou “Neusa”, como chamam), GINKGO BILOBA, METFORMINA e SINVASTATINA (convenhamos, isso está muito longe de ser saudável!). Mil reais por mês! E sem saúde!!!

Entretanto, você ainda continua deprimido, cansado e engordando. O doutor, de novo. Troca a Fluoxetina por DULOXETINA, um antidepressivo “mais moderno”. Após dois meses você se sente melhor (ou um pouco “menos ruim”). Porém, outro contratempo surge: o novo antidepressivo o faz urinar demoradamente e com jato fraco. Passa a ser necessário levantar duas vezes à noite para mijar. Lá se foi seu sono, seu descanso extremamente necessário para sua saúde. Mas isso é fácil para seu doutor: ele prescreve TANSULOSINA, para ajudar na micção, o ato de urinar. Você melhora, realmente, contudo... não ejacula mais. Não sai nada!

Vou parar por aqui. É deprimente. Isso não é medicina. Isso não é saúde.

Essa história termina com uma situação cada vez mais comum: a DERROCADA EM BLOCO da sua saúde. Você está obeso, sem disposição, com sofrível ereção e memória e concentração deficientes. Diabético, hipertenso e com suspeita de câncer. Dentes: nem vou falar. O peso elevado arrebentou seu joelho (um doutor cogitou até colocar uma prótese). Surge na sua cabeça a ideia maluca de procurar um CIRURGIÃO BARIÁTRICO, para “reduzir seu estômago” e um PSICOTERAPEUTA para cuidar de seu juízo destrambelhado é aconselhado.

Sem grana, triste, ansioso, deprimido, pensando em dar fim à sua minguada vida e... DOENTE, muito doente! Apesar dos “remédios” (ou por causa deles!!).

A indústria farmacêutica? “Vai bem, obrigado!”, mais ainda com sua valiosa contribuição por anos ou décadas. E o seu doutor? “Bem, obrigado!”, graças à sua doença (ou à doença plantada passo-a-passo em sua vida).

Dr. Carlos Bayma

HEYYYYYYYYYYYY  ADICTADA?

 

HEI ADICTOS/AS!!!!!!

A maneira com a qual estávamos acostumados a viver era o caos; o caos era o modo de vida.

Hoje em recuperação, temos de trabalhar para possuirmos reservas de emoção, reservas físicas e espirituais (é nada mais nada menos do que o auto-conhecimento), para que quando as crises chegarem (e chegam com certeza), elas não nos afetem em demasia.

Apenas para complementar e elucidar, as reservas às quais me refiro são no sentido de sobra, algo guardado para ser usado na hora oportuna e, não as reservas que muitas vezes possuímos com relação ao programa, com relação a não praticar determinado passo, ou em relação a determinada substância etc, etc.

Uma reserva da qual vejo muuuuuuita gente recair (eu inclusive recaí dessa forma), é a reserva pela qual não tínhamos ou não temos problemas com o álcool.

Posso afirmar sem medo de errar que 90% das recaídas ocorrem em função de alguma reserva com relação ao álcool.

Nós então, gradativamente, vamos adquirindo o suporte de que tanto necessitamos. 

É óbvio que nossas vidas não estão isentas de problemas (acredito que os problemas muitas vezes parecem tão "esmagadores" porque agora nós os enxergamos e, durante a ativa simplesmente os ignorávamos ou passávamos por cima feito rolo compressor).

A diferença é que agora possuímos a compreensão e as ferramentas do programa para evitar os antigos comportamentos autodestrutivos.

Galera! e o efeito espelho? já sentiu isso? tem um carinha no trabalho, no grupo, na escola que te incomoda muuuuuuito?

Cuidado! você pode estar experimentando o efeito espelho. Você enxerga na pessoa coisas que estão dentro de você, mas que você não gosta e, principalmente não admite; então tome crítica no companheiro, tome achar defeitos no outro.

Pode-se denominar também efeito macaco! ééééé, sento em cima do rabo e vou falar mal do rabo do outro pois assim desvio a atenção do meu. Algumas vezes isso é feito de forma inconsciente, outras nem tanto e é por isso que o auto-conhecimento, a auto-análise sincera e objetiva é tão importante.

Sempre gosto de salientar que estou refletindo apenas minhas opiniões, minhas convicções; tem a ver com o uso de drogas no sentido de que quando na "ativa" adquiri inúmeros, muitos defeitos de caráter mesmo e, que devo trabalhá-los em meu dia a dia, durante as 24 horas, a fins de eliminá-los ou ao menos deixá-los tipo a minha doença: sob controle-estacionada. (aliás tenho sempre desconfiança da afirmação de que a doença esteja estacionada.

O que está estacionado é o meu uso, mas acredito que a doença esteja atuando ainda nos mais diversos setores da minha mente que é o que controla meu organismo, meus pensamentos, minhas atitudes........)

A partir do momento em que volto a praticar alguns defeitozinhos de estimação, minha recuperação começa a correr perigo e, volto a insistir é nesse sentido que devo estar cada vez mais me auto-conhecendo para poder identificar tais situações.

Meus familiares, meus amigos, meus entes queridos e principalmente meu padrinho ou minha madrinha (meus/minhas), podem e devem auxiliar muito e colaborar para que eu possa me trabalhar cada vez mais e mais consistentemente e, para isso devo estar de mente aberta também constantemente, sem racionalizações, sem teorizações, lembrando que existe um programa, e que o programa funciona!

Mas funciona para quem é obediente, não tem nada a ver com gente inteligente.

(pode ser inteligente sim, mas tem que ser obediente). 

Dia desses falei sobre conhecer dezenas, centenas de adictos que hoje graças a um Poder Superior estão limpos, levando vidas produtivas UM DIA DE CADA VEZ, mas que durante a "vida ativa" da adicção só acumularam perdas.

Eu sou meu maior exemplo disso que digo.

O que posso afirmar concretamente, é que a adicção também é uma doença de exclusão, é uma doença em que o cidadão/cidadã se marginaliza, se coloca à margem da sociedade e por esse motivo sofre preconceito.

Mesmo aqueles/aquelas que entram num processo de recuperação, são vistos sempre com restrições, com reservas e com desconfiança. 

No post que "mandei" em 02 de Junho do ano que passou, citei chavões que pessoas mal informadas e ou preconceituosas vivem dizendo aos 4 cantos como por exemplo: uma vez drogado sempre drogado, uma vez vagabundo sempre vagabundo, pau que nasce torto........... e por aí vai. 

Quem poderá julgar? eu? você? não! apenas Deus pode julgar.

No mais, é o faça o que tú queres pois é tudo da lei. Ou EMA EMA EMA, CADA UM COM SEUS "POBREMA" (não é problema não).

 

A FARMÁCIA DO GENÉRICO EM JACAREZINHO PR.

E OLHA SÓ QUE LEGAL! VOCÊ NÃO PRECISA SE DESLOCAR ATÉ O CENTRO DA CIDADE PRÁ ENCONTRAR MEDICAMENTOS COM AQUELE PRECINHO ESPECIAL.